CONTATO EQUIPE ITACHIQUE (16) 99762-2684 | E-MAIL: CONTATO@ITACHIQUE.COM.BR

Itachique: IMAGENS-BANNERS/dci-485x145/1.jpgItachique: IMAGENS-BANNERS/dci-485x145/2.jpgItachique: IMAGENS-BANNERS/dci-485x145/3.jpg
Itachique: IMAGENS-BANNERS/roberval-485x145/1.jpg

5 problemas constrangedores que acontecem no trabalho

Autor: Rodrigo Capelo

postagem: 30/01/2015 - 12:49:22 COMPARTILHAR

Se no lazer já aparecem problemas de relacionamento, imagine num local onde se passa a maior parte do dia e se enfrentam deveres e metas. Situações como bagunça e estresse, perseguição de colegas, competição demasiada e assédios moral e sexual infelizmente ocorrem com frequência no trabalho. Por isso Ricardo Barbosa, consultor em gestão de projetos da Innovia Training & Consulting, fez uma lista de recomendações para cada caso. Em geral a solução é respirar fundo, dialogar ou, se nada resolver, se defender com provas.


1. Ambiente inadequado
Bagunça, estresse, cobrança exagerada. São várias as razões que podem tornar um local de trabalho insustentável. A solução passa por ter alguma paciência, pois quem reclama pode fazer o papel de chato e ser excluído pelo grupo. Depois que a bagunça ou o momento de tensão acabar, é bom esperar cabeças esfriarem para ter uma conversa simpática a respeito.


2. Perseguição
Um se sente perseguido, o outro percebe, e assim se cria uma rusga entre colegas de trabalho que acaba prejudicando todos os lados. O problema, na maioria das vezes, é falta de diálogo. Primeiro, o consultor recomenda parar para pensar: será que a culpa também é minha? “Hoje, casos de perseguição são realmente frequentes, mas também ocorrem situações de vitimização”, diz Barbosa. Segundo, conversar, se possível com um mediador. “Busque alinhar ações e eliminar dificuldades que possam ocorrer no futuro”.


3. Competição exagerada
Um pouquinho de concorrência entre funcionários de uma mesma empresa é até certo ponto saudável, mas, quando passo do limite, pode virar um grande problema. O sujeito cria dificuldades para o colega ou até o sabota. “Nesses casos é necessário que se busque primeiro o diálogo franco, mostrando que todos se prejudicam. Posteriormente tentar registrar os fatos ocorridos, seja por e-mail ou por outro tipo de documentação. Por fim, buscar superiores para explicar essas dificuldades”, sugere o consultor.


4. Assédio moral
Ele existe, é mais complexo do que parece, e para lá de comum. Normalmente ocorre de cima para baixo, de chefe para subordinado, e a defesa pode ser ainda mais danosa, pois acusações sem provas viram mal entendimentos maiores. “O primeiro passo é se resguardar, criando provas de que essa situação realmente ocorre”, recomenda Barbosa. Depois vale ter uma conversa franca com a pessoa quando ela estiver mais calma. Como vítimas costumam ser tímidas, mudar de postura também ajuda. Mas se nada disso resolver o jeito é procurar um superior e provar que há assédio moral. “Em último caso, recomendo buscar outro emprego e entrar até mesmo com uma ação contra o assediador”.


5. Assédio sexual
Este é o mais sério dos casos. Paqueras e brincadeiras de cunho sexual não fazem muito bem ao trabalho, então vale, sempre, evitar essas situações por meio de uma postura profissional. Se o problema persistir, munido de provas, o indivíduo deve tomar medidas legais. Omitir-se ou somente pedir demissão faz com que o agressor se sinta impune e faça novamente com outras pessoas. “Eu sei que muitas vezes o medo impera, mas é necessário buscar combater essa realidade que infelizmente ainda ocorre em algumas empresas”, diz Barbosa.

Itachique: IMAGENS-BANNERS/malaspina-michelin-inicial/malaspina-michelin-incial.jpg
Itachique: IMAGENS-BANNERS/107-7/radio-107-2.jpgItachique: IMAGENS-BANNERS/107-7/radio-107-3.jpgItachique: IMAGENS-BANNERS/107-7/radio-107.jpg
Itachique: IMAGENS-BANNERS/Samiel/1.pngItachique: IMAGENS-BANNERS/Samiel/2.png
Itachique: IMAGENS-BANNERS/come-come-inicial/come-come-inicial.jpg

© 2012 - 2020 - Todos os direitos reservados a Flávio Zechi e Roberval Carvalho.